top of page

Brasil é destaque em ações de combate à apatridia, segundo pesquisadora

Situação de limbo social, político e jurídico afeta de 10 a 12 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a ONU



Cerca de 10 a 12 milhões de pessoas em todo o mundo estão desprovidas de nacionalidade, segundo dados das Nações Unidas. São os apátridas, que vivem em uma situação de limbo social, jurídico e político.


Para combater essa situação, em 2014 o ACNUR (Alto Comissariado da ONU para Refugiados) lançou a campanha “I Belong” (Eu Pertenço, em tradução livre), que visa erradicar a apatridia no mundo até 2024.


Entre as ações adotadas mundo afora, o Brasil se destaca. É o que aponta Ana Raquel Menezes, advogada e acadêmica atuante na área migratória, que recentemente lançou o livro “Statelessness: Theory, Analysis and Good Practices from Brazil”, que pode ganhar versão em português em breve.


“O Brasil é um país que se destaca nesse sentido com várias práticas. Para mim a mais importante delas é conceder nacionalidade a qualquer pessoa nascida no território brasileiro (jus soli). Muitos países não possuem essa prerrogativa, e isso acaba gerando casos de apatridia”.


Em entrevista ao MigraMundo, a pesquisadora comentou sobre dados recentes da apatridia no Brasil e no contexto global, bem como as ações de cada Estado podem incluir ou gerar uma pesada exclusão sobre as pessoas apátridas.



Комментарии


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page